quinta-feira, 23 de julho de 2009

O post mais vergonhoso

Nunca foi assim, nem nunca deveria ser. De uns tempos pra cá, tudo tem mudado. Obviamente, não especificarei tais mudanças por uma questão de privacidade. Todavia tentarei expressar tudo que estou sentindo neste exato instante de alguma forma. E essa forma será formada de acordo com o desenrolar do texto. Acho digno dizer-lhes, antes que entre em um ritmo frenético de palavras sentimentais que para vocês provavelmente não signifiquem tanto como significam e pesam para mim, que não acho esses desabafos os melhores posts, apesar de acreditar que são necessários e continuos. Afinal, o que seria do homem se não tivesse essa capacidade tão aguçada de pensar em tantas coisas ao mesmo tempo, tendo mil sentimentos/min. Ok, estou entrando no caminho errado. Lá vou eu, eis aí o meu post mais vergonhoso, acovardado.

Ao acordar já sei que estou errada. Nos poucos dias que acordo tranquila, quando a paz enfim parece ter chegado, em pouco tempo já encontro outro motivo por estar errada, inapropriada, inutil. Na penultima semana, as coisas foram diferentes - até que enfim! Acordava mal-humorada, todavia, tal mal-humor me deixava tão orgulhosa, pois havia tempo que não acordava do jeito que sempre acordei. Estava sendo EU, e nada mais. Isso me deixava feliz. Essa felicidade era sustentada pelo resto do dia ensolarado. Ensolarado porque eu não estava em São Paulo, a cidade da chuva. Estava em Goiás. E por lá desejava permanecer para o resto da minha vida. Até ai, não havia problema algum. Estamos acostumados a querer passar o resto de nossas vidas nos lugares que não são nossos - me arrisco até a dizer que é natural do ser humano nunca estar contente com sua condição, sempre querer mais. Podia eu estar querendo mais do que realmente sou capaz de alcançar, mas eu sabia que era aquilo. Aquele lugar, aquelas pessoas, aquela paz.
A paz está começando a reinar no meu post, o que é um equívoco, pois, a partir de agora quem não conhece, conhecerá a pessoa mais triste, ou então, a pessoa mais transparente. O ser humano puro.
Minha raíz não estava naquele lugar, e isso me trazia culpa, vergonha. Então eu não tinha orgulho da minha pátria, da minha 'família', ou até da minha vida por completo? Pode até ser, não sei ao certo. O que sei é que voltei para a cidade da chuva, e todo aquele frio, aquela frieza me contaminou mais ainda. Não acordava mais mal-humorada. Simplesmente não parecia nem estar acordada. Estava dormindo, dormindo com o pior pesadelo. E tudo o que parecia é que eu nunca mais iria acordar.

Talvez eu realmente nunca tenha acordado.

12 comentários:

Isa disse...

Follow the sun :)

Juro que o sol colabora muito. Eu moro no Rio, e mesmo quando tá tudo uma merda, quando eu tô no mais fundo de todos os poços, o sol me clareia toda por dentro

Raquel disse...

E a música. =D

Nathália :) disse...

Me sinto desse jeito também quando estou aqui, na minha terra natal. Fico como você! E é verdade, queremos mesmo passar o resto de nossas vidas em lugares que não são nossos. Eu mesma, sou louca p/ me mandar daqui. E o irônico, é que eu moro em goiás...

Clara disse...

Ouso dizer que é um post muitíssimo corajoso.
Acho que escrever é sentir duas vezes... Expor o que está por dentro e tão dentro da gente (que só a gente sabe a dor), é difícil demais...
Quem escreve exorcisa e pra quem pensa que isso é fácil... ah, nada disso!
Não se sinta covarde por isso, de maneira nenhuma. Que menina corajosa, isso sim!

Nathália :) disse...

Moro em anápolis. Penso que voce nunca ouviu falar ;P fica a uns 40 min de goiania :)

Dá. disse...

Moro em Santa Catarina.
Mais eu gosto daqui, claro que tem lugares que eu gosto mais . mais aqui ta minha vida .
Esse lugar é meu e sou feliz aqui^^^
Adorei o post o blog , tudão :D
To seguindo:*

♫ FáZinho ♫ disse...

Me sinto assim tbm...


Otimo Blog..

To seguindo vc..
Bjsss

Victória Cássia. disse...

Por vezes os sonhos (ou pesadelos) parecem eternos. Mas há sempre aquela verdade:

' Viver é melhor que sonhar.

E só nos resta mesmo seguir em frente, tentando acordar. Um dia, quando menos se espera ou menos se quer, a gente abre os olhos.

Neo disse...

Oi, oi..

Que surpresa boa! E que bom vc ter reencontrado o TOS. Tomara que a gente não se perca virtualmente de novo... rs.
Também não vinha aqui há tempos e foi bom voltar.
Grande beijo e um ótimo final de semana.

Neo
Todos os Sentidos.wordpress
twitter.com/todosossentidos

Silvana Nunes .'. disse...

Convido a dar uma espiada em "FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER.." ( o seu cantinho de leitura), em:
http://www.silnunesprof.blogspot.com
Terei sempre uma história para contar.
Saudações Florestais !

Priz disse...

Eu não acho que tenha sido um post ruim como você anunciou no inicio.
Desabafos são sempre bons e acredito que é maravilhoso pra alma escrever sobre eles, os viáveis você publica, os não, você guarda pra si.
Nunca mais leia o que guardar, para não lhe trazer infelicidade no momento, também não apague pois um dia talvez você queira ler.
Mas sempre escreva, faz beeem e tira o maior peso das costas, acredito até que um teclado,ou um caderno, para certas pessoas, valem mais a pena do que ir no psicólogo ou profissionais do genero.
Beijos

disse...

Sumiida !
Sinto falta dos seus posts ! D:
quando voltar passa lá falar um oizinho pra mim ! :P

beeijão ! :*